terça-feira, setembro 20, 2011

Livre de Apegos

foto: reprodução

Quase completando seus cinqüenta e poucos anos, lá estava ela, observando seu closet abarrotado com diversos pares de sandálias, jeans, casacos e guardado bem lá no fundo, uma caixa estampada com minúsculas florzinhas, visivelmente desbotadas, vítimas do tempo. Dentro, o vestido que se casou. Que mania as pessoas tem de guardar coisas que não usam mais. Casaria novamente com o mesmo vestido? Pouco provável, pelo tamanho, modelo e as manchas amareladas. Tenho uma amiga que adotou a seguinte estratégia; para entrar uma peça em seu guarda roupa tem de sair outra para doação. Uma atitude coerente e digna! Não precisamos de muitas coisas para viver, nem se apegar demais a elas. Enquanto observava aquilo tudo, foi saindo e caminhando para os outros cômodos da casa, deparando-se com outros objetos, porta retratos, enfeites de mesa, quadros, poltronas e tudo mais que uma casa poderia comportar. Começar a desmontar a casa que viveu durante anos, seria tão emocionante quando a montou a vinte e cinco anos atrás. Refiro-me aqui, a emoções totalmente avessas. Os dissabores da vida lhe puseram a frente de sua decisão, muito bem acordada com o seu marido. E eles estavam super cientes de suas decisões, tomaram-na juntos. Por mais consciente da decisão que havia tomado, vendo tudo aquilo ali, lhe trazia o sentimento de que em algum momento, pudesse vir a sentir uma saudade incondicional misturada com a dor. Remédio para isso haveria sim, talvez um curso de jardinagem, yoga, uma volta de bicicleta em volta da lagoa, meditação, cuidar de animais abandonados ou simplesmente estar com os netos e pessoas queridas. E ela fez tudo isso. No fundo se conhecia, sabia que tinha tomado a atitude correta. Sabe por quê? Queria mesmo era aproveitar e viver muito bem sua nova fase, sua nova vida, sem preocupações e ressentimentos, afinal de contas, a dúvida dela era e continua sendo: vai que não existe a tal reencarnação, não é?

3 comentários:

Ana Paula disse...

ooii
adorei o blog...paarabeens :)

Simone Pitchon disse...

Oiii Andrew, muito gracioso, lembrei da minha mae, fase parecidissima a essa. O importante eh viver e bem! Felicidade eh tudo nessa vida.

André Gonçalves disse...

Sua mãe sem sombra de dúvidas saberá viver muito bem essa vida!!!
Bjão...