segunda-feira, maio 26, 2008

A três, a quatro, a cinco... Se amar uma pessoa já é complicado, imagine amar mais de uma ao mesmo tempo. Isso seria possível? Para alguns este assunto é um tabu, no entanto para outros é algo tratado como uma tendência – dos futuros modelos de relacionamentos amorosos.

Ficou de boca aberta aí? Muita gente também! Lembra do início da década de 60, quando a moça que não fosse virgem não conseguiria nem por decreto um casamento. Era mal falada e vista com olhos preconceituosos pela sociedade. Separar do marido então, voltar para a casa dos pais, impraticável naquela década!

Assim como foi feita uma revisão de conceitos e tudo mudou, prepare-se para mais uma mudança. Também estou me preparando. Tudo acontece aos poucos, devagar e, quando nos dermos conta, veremos um casal com mais um, ou dois casais juntos, ou ainda algo como no romance escrito por Jorge Amado em “Dona Flor e seus Dois Maridos”. Mas essa história não é antiga? E o trio do autor Aguinaldo Silva, Dália, Heraldo e Bernardinho, da novela Duas Caras? O assunto já está sendo tratado até na televisão!

Namorar a três, a quatro, a cinco, será que flui? Há quem diga que sim. Talvez futuramente ouçamos frases do tipo: “Por favor, uma mesa para três”. Ou então, “Hoje é o aniversário do nosso marido e viemos escolher um presente”.

De acordo com psicólogos e psiquiatras, dentre outros que estudam o assunto, ainda não estamos preparados para encarar o fato de termos muitos amores ao mesmo tempo. Mas talvez daqui a dez anos – isso seja mais aceitável e visto com outros olhos.

Enquanto tem aquele que sonha em encontrar sua alma gêmea, já tem gente sonhando com suas almas “trigêmeas”, “quadrigêmeas” e por aí vai. Daqui a uma década te encontro, mas de boca fechada ok!

Um comentário:

Robson disse...

Ei André! Excelente texto, como sempre... Gosto de ver como você aprendeu direitinho a lição de casa das aulas de Criação e Redação em Jornalismo Empresarial lá da Newton.
Adorei o texto, um tanto quando futurista/ contemporâneo, hein? Já pensou a gente por aí, todos nós, a três, quatro, cinco... Que luxo: ou melhor, que luxúria! Prazer a quinta potência. Boa sacada.
Grande abraço e beijos. Não suma...